19 de outubro de 2016

Resiliência, Alegria e Street Fighter

A palavra da moda hoje é resiliência. O amigo wikipedia diz  que “resiliência é a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas - choque, estresse etc. - sem entrar em surto psicológico, dando condições para enfrentar e superar adversidades. Nas organizações, a resiliência se trata de uma tomada de decisão quando alguém se depara com um contexto entre a tensão do ambiente e a vontade de vencer. Essas decisões propiciam forças na pessoa para enfrentar a adversidade.” Tal palavra me fez lembrar de Paulo de Tarso quando este nos ensina sobre o que é ser alegre. E é justamente sobre a alegria que quero escrever hoje.
Não sei se todos sabem, mas, embora possam parecer palavras sinônimas, existe uma diferença grande entre alegria e felicidade. A felicidade tem a ver com os nossos momentos de euforia. Por exemplo, se o indivíduo consegue ser aprovado numa prova de concurso para a qual este havia passado anos se dedicando, ele, devido àquela circunstancia específica, ficou feliz. Amanhã toda a euforia terá passado e ele não estará mais tão feliz. Foi um momento. Por outro lado, ao falarmos de alegria, esta não está diretamente ligada à um momento de euforia. Como assim? Podemos estar alegres mesmo passando por uma fase meio dark em nossas vidas. Exemplo, eu estudo muito pra aquele concurso e quando sai o resultado vejo que não passei. Tô feliz e saltitante? Claro que não, mas mesmo em meio a esse momento desfavorável, posso ter paz no meu coração e pensar que “ok, tudo bem. Apesar de não ter conseguido passar agora, sei que posso continuar vivendo e tentando outras vezes até passar...e se não passar nunca também ok, pois entendo que minha vida não precisa ser ditada pelas circunstancias que me cercam e isso não me faz alguém menos valorozo”.
O cristão precisa entender que Deus, o Pai, não existe pra livra-lo das suas frustrações e tribulações da vida. Não! Acontece que Deus não vai livrar você da fase bad justamente porque Ele sabe que você precisa passar por ela. ‘Mas por que eu preciso passar pela bad?’ Pra aprender a perseverar, pra aprender a ser resiliente e então, só assim, amadurecer na vida.
O que Tiago nos diz a respeito disso é lindo e libertador. Prestem bem atenção Moniques que leem esse texto:
Amigos, quando lutas e aflições os atingirem em cheio, saibam que isso é um presente especial. Vocês verão como a será fortalecida e como terão forças para continuar até o fim. Por isso, não desistam facilmente. Essa perseverança os ajudará a amadurecer e a desenvolver plenamente o caráter de vocês.” Tg 1.2-4 versão A Mensagem
Tudo dependerá da maneira com que nós iremos olhar para as nossas circunstancias. Temos dois caminhos: 1- olhar pra bad e achar que teu Pai não te ama mais e que está te castigando por algo; ou 2- olhar pra bad e enxerga-la como um grande presente que chegou com o único proposito de te aperfeiçoar, de aperfeiçoar tua fé, pois, afinal, a única coisa de valor que nos restará no fim desse mundo é o tanto de fé que guardamos em nós.
Sei quanto vocês se sentem bem com isso, ainda que nesse meio-tempo tenham de enfrentar todo tipo de provação. O ouro puro passado pelo fogo sai comprovadamente puro; a fé genuína que passa pelo sofrimento sai comprovadamente genuína. Quando Jesus consumar tudo, será a fé que vocês têm, não o ouro, que Deus vai apresentar como prova da vitória dele.1 Pd 1.6,7

É simples, basta pensar num jogo de videogame. Quando tu jogava os Street Fighter da vida, sempre aparecia em algum canto da tela o tua Life, certo? Aquele tubinho que indicava o tanto de vida você tinha no jogo. Pois bem, pense nessa Life como sendo a sua quantidade de fé. É justamente assim que vai ser com a gente. Como cristã, creio na volta do Cristo que virá buscar a Sua Igreja (com I maiúsculo). Quando Ele vier e me chamar, Ele vai querer olhar a minha Life no grande jogo da vida. Se estiver azul é porque lutei o bom combate e consegui guardar a minha fé; se estiver vermelha lá no final, significa que me deixei levar pelas circunstâncias da vida e perdi o que de mais valioso eu podia ter: minha fé.
A comparação foi bem tosca, mas a verdade que contém nela é bem real e profunda. Onde está o nosso coração? Quem tem ditado as regras das nossas vidas? Temos controlado as coisas/circunstâncias ou as coisas/circunstâncias que tem nos controlado? E a nossa fé no meio de todo esse caos? Tem sido bem cuidada ou já está no “vermelho”? Temos tido a alegria de Paulo em meio às situações desfavoráveis?
Que esse pequena reflexão seja luz pra sua vida assim como foi pra minha.

No amor do Cristo,

Monique Campos


18 de outubro de 2016

O amor que eu quero


O amor é a principal virtude. O amor é o maior mandamento de Deus. O primeiro, amar a Deus de todo o coração e entendimento; o segundo, amar ao teu próximo como a ti mesmo. Como é amar o meu próximo como a mim mesmo? Creio que só aprendendo a amar a Deus de todo o coração e entendimento é que conseguirei amar o meu próximo. Cada vez que eu escolho não tomar atitudes de amor para com o meu próximo, estou negando amar a Deus. Podemos dizer que existem dois tipos de amor: 1- o que se amolda segundo à Palavra de Deus e 2- o que se amolda segundo os padrões desse mundo. Cabe a mim escolher sob qual lógica de amor vou basear a minha vida.
Se escolho viver o amor segundo à Palavra, vai doer? Sim, vai. Vai porque esse tipo de amor vai exigir de mim renúncia ao meu querer em favor do querer do outro; vai porque terei que deixar de lado meu egoísmo, meu egocentrismo, meu orgulho, minha lógica do ‘dar e receber’ para olhar para o outro e me colocar em seu lugar. Aliás, o amor segundo à vontade de Deus é o exercício constante de olhar para o outro. Fica a reflexão: o quanto tenho deixado de olhar para mim e tenho olhado para o outro?
Por outro lado, se escolho viver o amor segundo a lógica mundana, é simples: enquanto estiver recebendo do outro o amor, a atenção, o carinho que mereço, eu retribuo tudo isso e está tudo bem. A partir do momento em que me faltar atenção, carinho, amor, paixão etc, eu não amo mais e descarto aquele relacionamento. Afinal, segundo essa lógica eu não preciso me esforçar pelo amor, pois tudo se trata de dar e receber. Havendo isso, há amor. Não havendo isso, não há amor. Se Deus tivesse agido conforme essa lógica do ‘dar e receber’ estaríamos literalmente fritos, uma vez que não teríamos nada a lhe oferecer pra que fôssemos salvos. Cristo nos foi dado por uma atitude de AMOR, nesse caso, traduzido como GRAÇA e a graça é o tipo de amor que faz sem esperar retribuição. É esse o padrão de amor que eu quero viver. Um amor inteiro, não caído, um amor fora do padrão dos filmes e novelas da tv, um amor que seja cristocêntrico. É nisso que acredito, é por isso que lutarei.


Monique Campos

12 de janeiro de 2015

Pecado, Confissão e Perdão [!]




Hoje falarei sobre o pecado, a confissão e o perdão. É preciso falar do pecado porque pecamos o tempo todo. Por mais que tentemos não o fazer, uma hora ou outra a gente vai e ...poof!... peca. Consciente ou inconscientemente a gente peca e isso é fato. É apenas o reflexo do Pecado (no singular) maior da humanidade, o de ter rompido com o Criador lá no Jardim. Quando quisemos ser independentes dEle, conhecemos o mal e as consequências disso estamos sentindo na pele até hoje...
Mas e aí? Estamos lascados eternamente por conta de uma escolha feita há tempos atrás? A resposta é NÃO!!!  Deus é tão incrível que, mesmo sendo traído, escolheu a reconciliação com os Seus e enviou então Aquele que seria o Caminho para a absolvição total de todos os pecados, de todas essas dores de parto que a humanidade sente e geme ... Seu nome: Jesus, O Cristo! Só há alívio nEle, Ele é o alívio.  E o que isso significa? Que aquele que reconhece a atitude salvadora do Cristo e que agora está em Cristo não mais cometerá pecados? A resposta é NÃO de novo! Somos pecadores e sempre pecaremos  ... a diferença é que em Cristo a gente adquire uma nova consciência de quem Ele é, de quem somos e, o mais importante, de quem PODEMOS ser. Ou seja, há uma esperança, nem tudo está perdido! Graças à graça de Deus!
Então fica a pergunta: quando pecamos, o que fazer pra receber o perdão? Qual o caminho para a reconciliação? Existe uma jornada ... 

1º Devemos reconhecer o pecado, reconhecer nossa natureza adâmica e nossa dependência dEle;
“Compadece-te de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; e, segundo a multidão das tuas misericórdias, apaga as minhas transgressões. Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado”. (Salmos 51: 1-2) 

2º Devemos confessar o pecado, dizer pra Ele quem somos com toda sinceridade, sem camuflar as manchas;
“Confessei-te o meu pecado e a minha iniquidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao Senhor as minhas transgressões ;  e tu perdoaste a iniquidade do meu pecado”. (Salmos 32.5)

3º Devemos receber o perdão. Entender que Ele está sempre de braços abertos pra nos receber de volta;
“Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo”. (Salmos 32.1-2)

4º Desfrutar a alegria. Nos lembrar que nEle não há condenação para nós, somos livres pra reescrever nossa história quantas vezes necessário for.
“Alegrai-vos no Senhor e regozijai-vos, ó justos; exultai, vós todos que sois retos de coração”. (Salmos 32:11)

Entendendo essa jornada e praticando todos esses passos, fica mais fácil lidarmos conosco mesmos e com nossos pecados. Entender que Deus é bom, misericordioso e que Ele está mais preocupado em ouvir do que julgar, muda nossa maneira de nos relacionarmos com Ele e com o próximo e nos dá ânimo pra continuar no caminho ao invés de desistir e se entregar. Muitas vezes peco e me esmurro constantemente, me achando a mais indigna e a pior das pecadoras... e de fato, sou tudo isso mesmo. Mas Ele tem graça pra mim, Ele tem novos recomeços pra aqueles que se enojam dos seus próprios pecados e que não aceitam mais viver sob esse jugo maligno, aliás, esse é o sinal de que a GRAÇA de Deus nos alcançou... já não pecamos com gosto, a gente sofre. Mas é bom saber que diante de infinitos erros e frustrações na vida,  Ele nunca desistiu de mim e sei que nunca desistirá e é isso que me faz continuar. E se O tenho do meu lado, tenho TUDO.
Então termino agradecendo à Ele tudo o que tem me ensinado até aqui, Sua exortação em amor, Sua paciência, Sua graça e misericórdia que nunca tem fim! E vamos caminhando pois ainda há muito o que aprender...

No amor e gratidão, 

uma filha que depende muito do Seu Pai.

2 de janeiro de 2015

Good times for a change ... [!]


 Esse post é uma retrospectiva básica do que foi meu 2014 e o que mais espero pra 2015 ... porque, claro, eu espero muitas coisas pra esse novo ano ... mas existem umas  ESSENCIAIS pra que todas as outras aconteçam. Por isso, minhas keywords pra 2015 são: Reflexões e Escolhas. Mas antes de falar delas, vamos voltar pra 2014!

O ano de 2014 foi um ano meio inesperado, pois no final de 2013 eu tinha alguns planos, algumas expectativas ...porém, na hora H tudo saiu diferente do que eu imaginava que seria. Pessoas que eu esperava estarem perto de mim em 2014 não estiveram ... mas não porque quiseram assim, simplesmente porque a vida quis e, por mais que na hora tenha me doído muito, mais pra frente eu entendi que a vida acontece as vezes sob outras perspectivas e que, em cada uma delas, Deus está presente nos sustentando, nos dando paz e tranquilidade em saber que nunca (eu disse NUNCA) estamos sós e que Ele sempre sabe o melhor caminho a seguir! E assim foi ... em tudo que me aconteceu em 2014 pude ver meu Pai cuidando de mim e me incentivando a prosseguir. Se por um lado pessoas se afastaram pela vida, outras chegaram. O ciclo da vida, ne? E com essas chegadas Deus continuou me ensinando, me cuidando, voltando meus olhos e coração pra lugares e causas lindas que até então não havia experimentado... Muito válido pra mim, pude repensar muitas coisas na minha vida e aprender a encarar meus fantasmas sem medo. Tô aprendendo a me olhar no espelho da alma e não fugir do que vejo, mas antes, tenho sido incentivada a me encarar, me perceber e mudar... são muitos os desafios e confesso que não tive coragem de topar alguns destes que 2014 me trouxe ... mas acho que estou no caminho ... tenho 364 dias pra isso.
O ano de 2014 também me ensinou a vencer alguns preconceitos ... me ensinou que cada caso é um caso e que eu não precisava me privar de viver certas coisas na vida por causa de preconceito da sociedade. A minha história Deus me dá a chance de escrever a cada manhã que abro meus olhos e saio pra viver  e é isso que busco também pro novo ano ... continuar a vencer meus preconceitos e olhar pra mim mesma e pros meus sonhos com um pouco mais de confiança. 
Pra 2015 pretendo e preciso refletir sobre os meus caminhos, meu futuro, sobre quem sou eu no Reino do meu Pai e descobrir o que posso dar de melhor pra esse Reino. Sei que esse será um trabalho árduo e que exigirá de mim alguns sacrifícios ... mas sei que preciso parar de fugir do espelho e descobrir quem fui, quem sou para mudar quem serei. Não estou fadada ao fracasso, como muitas vezes pensei que estivesse, confesso. Sei que nEle tenho a oportunidade de fazer tudo diferente, tudo novo, de novo. Ele me permite isso ... esse é um sonho dEle antes de ser meu. E se sei que Ele está comigo e que Ele acredita em mim, o que mais posso querer pra 2015? Uma vez que tiver essas respostas, saberei que escolhas fazer sem medo de ser feliz. Não quero mais temer a nada, quero viver a vida que Ele tem pra mim e lutarei muito em 2015 pra isso. Que Ele me ajude pois sou totalmente dependente da sua mão.
Pelos muitos desafios e mudanças de 2014 eu agradeço ao meu Pai. E pelas novas oportunidades que Ele me dará em 2015 também agradeço. Porque, como gosta de repetir uma pessoa que muito alegra meu coração e que, inclusive, faz parte da parte boa que 2014 me trouxe (Meu lindo, querido, cheiroso e amado Rafa <3) : DEle, por Ele e para Ele são todas as coisas! Meu 2014 foi dEle e meu 2015 continuará sendo.


28 de setembro de 2014

Nem só de contos de fadas viverá o casal ... [!]



Hoje eu gostaria de organizar alguns pensamentos sobre relacionamento ...  pensamentos esses que tenho aprendido com Cristo, pois sim, Ele tem muito a nos dizer sobre como nos relacionar uns com os outros, sobre o verdadeiro AMOR.
Por ser mulher, confesso que ainda me “derreto” quando vejo fotos de casais nas redes sociais seguidas por textos gigantes e com palavras bonitas, altas declarações e tal ... mas até que ponto todo aquele mel é real? E mais, será que é benéfico tanto assim toneladas de açúcar pra corrente sanguínea do casal? Fico me perguntando e acho que isso não faz muito sentido...
Sou uma pessoa com uma experiência considerável quando o assunto é relacionamento. Já estive em relacionamentos que duraram bastante tempo cada e hoje me encontro no meu 4º e último (se Deus assim quiser!)relacionamento. E hoje, quando olho pra mim, eu vejo que amadureci e mudei em muitas coisas e me sinto muito feliz por isso. Só que a verdade é que tive que passar por cada relacionamento que passei, precisei vivenciar cada momento, tive que me permitir deixar ser curada por Deus em tantas coisas até chegar aqui e ser quem sou hoje... definitivamente não foi fácil. Mas precisei de tudo isso. Deus usou tudo isso, eu creio. E Ele continua a usar situações hoje, continua a usar pessoas hoje pra terminar a grande obra no meu coração... e a grande questão é: Num relacionamento a dois, quais são as situações com maiores possibilidades de crescimento e amadurecimento?



Quando tudo é conto de fadas pro casal, isto é, quando não há conflitos de ideias, divergências de pensamentos, quando os defeitos são camuflados e tudo o que se enxerga (ou que se quer enxergar) são as qualidades do outro, tenho a impressão de que isso mais parece um relacionamento entre duas máquinas do que entre dois seres humanos.  E como crescer do lado de uma pessoa dessa forma? A meu ver, os conflitos, os momentos mais delicados na vida de um casal, são os momentos em que há maiores possibilidades de crescimento e amadurecimento.  Diante de um momento difícil temos duas opções: Ou nos tornamos as vítimas e começamos um eterno “mimimi” ou fazemos como o apóstolo Paulo nos ensinou sobre ter uma mente integrada, isto é, uma mente que olha para as situações difíceis da vida e, ao invés de mimimizar tudo, a gente se pergunta “ok, como irei glorificar a Deus nessa circunstância difícil?” Porque é isso! Deus usa os momentos mais difíceis de nossas vidas para moldar nosso caráter, para nos aperfeiçoar afim de que nos tornemos mais parecidos com Cristo Jesus.  Logo, nesse sentido, viver só de conto de fadas seria extremamente maléfico pro casal ... simplesmente por não se permitirem encarar as dificuldades juntos e crescerem juntos no meio das turbulências do relacionamento.
Digo pro Rafa que Deus usa muito a vida dele pra me moldar ... Eles devem ter uma parceria muito séria nessa missão (Haha) porque, mesmo sendo só 4 meses juntos, já passamos por momentos difíceis e delicados em que Deus falou muito sobre coisas que preciso ainda me deixar ser curada ... e creio que com o Rafa tenha sido a mesma coisa ... e é isso, ne?! Essa é a grande “magia” do relacionamento a dois ... essas oportunidades de ouro que Deus nos dá pra sermos pessoas melhores, pessoas que têm a cara dEle, através  desses momentos mais difíceis pelos quais passamos, sim. Não há porquê querer camuflar isso ... eu quero mais é admitir mesmo que sou pecadora e que preciso de Deus e que preciso de pessoas na minha vida pra me ajudar nessa missão.
A hora de liberar perdão é essa! Quem somos nós pra alimentar orgulho? Quem somos nós pra empinar o nariz e não perdoar alguém? Será que temos créditos pra isso? Eu com certeza não. Por isso quero sempre a prática do perdão na minha vida, assim como Cristo me perdoa todos os dias. Quero sempre amar sem falar em méritos ... porque Cristo me ama e eu não tenho nenhum mérito nisso. A escolha foi toda dEle. E porque não posso pensar e agir da mesma forma? Só lembrando que amar é uma escolha que fazemos diariamente, portanto, não queira reduzir o amor à um simples “eu te amo” dito de qualquer maneira, pra qualquer um, sem que não haja prática alguma. Isso é /fail demais!

Sabe, as declarações de amor nas redes sociais e as fotos felizes ... elas podem até fazer parte sim ... mas me faz muito mais feliz pensar que através do meu relacionamento (que tem altos e baixos) Deus tem planos lindos, doloridos e profundos para transformar tanto a minha vida quanto a do Rafa. E isso sim faz todo o sentido!

No amor,

Nique C.

13 de agosto de 2014

Que eu fique Contigo, amém [!]



Terminei a oração de hoje dizendo ao Pai as seguintes palavras: "Que eu fique Contigo no decorrer desse dia, amém". Porque é isso, né? A verdade é que Ele sempre fica comigo, Ele sempre busca a minha companhia e um relacionamento comigo a cada dia ... eu é que muitas e muitas vezes não fico com Ele e por diversos motivos. E é a partir disso que quero iniciar minha reflexão de hoje ... o nosso relacionamento com Ele começa a partir do momento em que alcançamos a compreensão de que Deus é Alguém que anseia pela nossa companhia, que deseja muito manter um relacionamento constante, íntimo e sincero conosco, o mais interessado em nos fazer Seus amigos ... e isso já é um começo e tanto! Então quer dizer que Deus, o Criador do Universo, o Grande EU SOU, o Todo Poderoso e Majestoso Rei e Senhor, Esse que não consigo nem mensurar com palavras quer ser meu amigo e quer participar da minha vida??? Sim!!!! Isso mesmo! Incrível pensar sobre isso ... Porém, pra que esse relacionamento aconteça, não depende só do coração inclinado e disposto de Deus ... é importante que nós também queiramos e busquemos isso. Mas como? 
Acredito que Deus tenha muito pra nos revelar sobre os Seus planos pra nós, sobre o que Ele está fazendo ao nosso redor, sobre a nossa verdadeira identidade no Reino dEle ... só que pára pra pensar! Onde poderemos encontrar todas essas respostas senão com o próprio Deus, na Sua companhia? é tão claro e faz tanto sentido ... não dá pra querer entender o coração de Deus numa oração de antes de dormir, pedindo pra que Deus abençoe nosso sono, né? É preciso mais! Relacionamento profundo exige um esforço maior ...exige tempo, disponibilidade, vontade de ambas as partes. Com toda a certeza Deus deseja isso ... e nós? 
A minha oração de agora em diante será sempre essa: "Que eu fique Contigo no decorrer do meu dia, amém".


27 de dezembro de 2013

O coração que eu quero [!]



Quando seguir a Cristo exigir renúncias na sua vida, você ainda vai estar do lado dEle?
Escrever esse texto pra mim, particularmente, está sendo um grande desafio. Um grande desafio de fé, pois, uma coisa é você ler na Bíblia sobre o sacrifício que Abraão teve que fazer ao entregar seu filho tão esperado e amado à Deus, ou ler sobre o jovem rico que foi convidado por Jesus a deixar de lado todas as suas riquezas nesta Terra, para segui-lo ... e outra coisa bem diferente, é quando esse personagem passa a ser você, quando Deus fala particularmente contigo, chamando você por todas as letras do seu nome. Esse tem sido meu grande desafio de fé. Enquanto cá estou eu vivendo e sonhando coisas, me apegando à pessoas, me envolvendo como se não houvesse amanhã em planos feitos por mim mesma, me doando, me enganando talvez, Deus vem, cuidadosamente, imagino eu, com toda cautela e preocupação em me trazer de volta à realidade que Ele tem pra mim, e me pede essas coisas, essas pessoas e até esses sonhos que enfiei no coração e costurei bem costurado para não perde-los. E aí pronto, o tempo fecha, meu chão se abre, tudo o que eu achava ter em meu controle desaparece do dia pra noite e lá estou eu, cega e nua, do mesmo jeito em que vim ao mundo. Eu, pó, e Deus, Criador onisciente a quem tudo conhece, inclusive o melhor pra mim. A história da minha vida. Ora conquistando, ora perdendo. Ora abestalhada e experimentando o êxtase de ter, ora destroçada pela dor da perda. Idas e vindas, conceitos feitos, desfeitos e refeitos, vaso que não cansa de estar nas mãos do Eterno oleiro...eu. No final, depois de tantas chegadas e saídas, de teres e perderes, no final sempre sobram apenas eu e Deus. E é quando eu me ajoelho diante Dele e pergunto: -Por que? Segundos depois, eu mesma me dou conta de que a pergunta feita é inútil...Afinal, não importa tanto o tal do "por que" ... importa que tudo  isso contribua para que eu me torne mais parecida, no caráter, no coração, nos desejos mais profundos, com o Cristo à quem ouso dizer que sigo. Se esse Cristo, ao longo de toda sua vida nessa Terra, viveu abrindo mão e se negando a Si mesmo, por amor de algo que julgava ser maior do que qualquer outro desejo humano, diga-se de passagem, a vontade do seu Pai, então por que haveria de ser diferente comigo, que, repito mais uma vez, ouso dizer que sou sua seguidora? Então novamente eu pergunto pra mim, primeiramente, depois pra você: Quando seguir a Cristo exigir renúncias na sua vida, você ainda vai estar do lado dEle? Bem, to vendo que mentir pra mim mesma até pode ser, mas mentir pro meu Pai Eterno, aquele que me criou e que me conhece bem mais do que eu mesma me conheço, é tarefa impossível. A questão é que mais cedo ou mais tarde a gente vai estar de cara com Ele e Ele nos permitirá ver [que não seja por meio de mais perdas, desejo eu] onde está de fato o nosso coração. Mais cedo ou mais tarde Ele vai nos fazer o mesmo convite que fez àquele jovem rico, de abandonarmos algumas coisas pelo caminho, coisas que valem menos do que o valor que atribuímos a elas, para segui-lo e eu oro pra que tenhamos a coragem de dar à Ele a resposta mais sensata, a resposta reveladora de um coração que não está apegado à esse transitório mundo, mas que está desejoso e preocupado em simplesmente viver realmente a vontade do nosso Deus, o Pai, ainda nessa vida, ainda aqui. Eu oro pra que Deus me dê o coração de Abraão ao invés do coração do jovem rico. Amém!

por Monique Campos